sexta-feira, 31 de julho de 2015

Direito & Literatura – Especial Ernildo Stein

Sobre a verdade...


"Todas las cosas derechas mienten…Toda verdad es curva..."
Friedrich Nietzsche, 
Así habló Zaratustra, Ed. Alianza, Madrid, 1979, p. 226

domingo, 26 de julho de 2015

Las personas curvas - Jesús Lizano

O Blog iurisdictio-lexmalacitana inspirou este post.



LAS PERSONAS CURVAS

Mi madre decía: a mí me gustan
las personas rectas.

A mí me gustan las personas curvas,
las ideas curvas,
los caminos curvos,
porque el mundo es curvo
y la tierra es curva
y el movimiento es curvo;
y me gustan las curvas
y los pechos curvos
y los culos curvos,
los sentimientos curvos;
la ebriedad: es curva;
las palabras curvas:
el amor es curvo;
¡el vientre es curvo!;
lo diverso es curvo.
A mí me gustan los mundos curvos;
el mar es curvo,
la risa es curva,
la alegría es curva,
el dolor es curvo;
las uvas: curvas;
las naranjas: curvas;
los labios: curvos;
y los sueños; curvos;
los paraísos, curvos
(no hay otros paraísos);
a mí me gusta la anarquía curva.
El día es curvo
y la noche es curva;
¡la aventura es curva!
Y no me gustan las personas rectas,
el mundo recto,
las ideas rectas;
a mí me gustan las manos curvas,
los poemas curvos,
las horas curvas:
¡contemplar es curvo!;
(en las que puedes contemplar las curvas
y conocer la tierra);
los instrumentos curvos,
no los cuchillos, no las leyes:
no me gustan las leyes porque son rectas,
no me gustan las cosas rectas;
los suspiros: curvos; 
los besos: curvos;
las caricias: curvas.
Y la paciencia es curva.
El pan es curvo
y la metralla recta.
No me gustan las cosas rectas
ni la línea recta:
se pierden
todas las líneas rectas;
no me gusta la muerte porque es recta,
es la cosa más recta, lo escondido
detrás de las cosas rectas;
ni los maestros rectos
ni las maestras rectas:
a mí me gustan los maestros curvos,
las maestras curvas.
No los dioses rectos:
¡libérennos los dioses curvos de los dioses rectos!
El baño es curvo,
la verdad es curva,
yo no resisto las verdades rectas.
Vivir es curvo,
la poesía es curva,
el corazón es curvo.
A mí me gustan las personas curvas
y huyo, es la peste, de las personas rectas. 

sábado, 25 de julho de 2015

(...)


“O homem seria metafisicamente grande se a criança fosse seu mestre”
 (Copenhague, 5 de maio de 1813 — Copenhague, 11 de novembro de 1855)

Dançando - Pitty

Livro "Amplo Direito" - Prof. Roberto Cajubá


Hoje tenho a alegria de indicar o livro "Amplo Direito" do Prof. Roberto Cajubá.




Roberto Cajubá é Professor Assistente do Curso de Direito da UESPI/Parnaíba-PI, Mestre em Direito (UFC/CE) além de figura queridíssima no meio acadêmico-jurídico de Parnaíba/PI. Um professor que não forjou-se professor mas que nasceu professor. Culto, eloquente e de espírito altaneiro sua importância na formação de muitos profissionais da área jurídica da cidade de Parnaíba/PI é intrínseca e inconteste.


A obra "Amplo Direito" é resultado de artigos escritos em jornais e blogs com o propósito de atingir a todos os todos os públicos, inclusive aqueles que não operam com o direito (razão pela qual é sortido com belíssimas charges como a que retrata o próprio autor acima). O objetivo é democratizar a linguagem jurídica e estimular reflexões através de uma leitura acessível e com textos curtos, sobre temas de cunho social e jurídico, daí abordar temas como facebook, futebol... sempre com uma "pitada" jurídica.

A leitura do “Amplo Direito” traz a visão do profissional do direito que hoje a faculdade não forma e práxis não molda. O profissional que se preocupa com a resolução dos conflitos, com a paz social, com uma sociedade igualitária e justa. Textos curtos em tamanho mas que demonstram uma aguda percepção social e em cada um [dos textos] subjaz uma profunda reflexão humanística. Claro sem ser rasteiro, profundo sem ser prolixo…

Obra que recomendo veementemente.

quinta-feira, 23 de julho de 2015

Direito e Mídia - Anderson Schreiber

Sobre o amor... "O diagnóstico e a terapêutica" - Por Eduardo Galeano - Livro dos Abraços


"O amor é uma das doenças mais bravas e contagiosas. Qualquer um reconhece os doentes dessa doença. Fundas olheiras delatam que jamais dormimos, despertos noite após noite pelos abraços, ou pela ausência de abraços, e padecemos febres devastadoras e sentimos uma irresistível necessidade de dizer estupidezes. O amor pode ser provocado deixando cair um punhadinho de pó de me ame, como por descuido, no café ou na sopa ou na bebida. Pode ser provocado, mas não pode impedir. Não o impede nem a água benta, nem o pó de hóstia; tampouco o dente de alho, que nesse caso não serve para nada. O amor é surdo frente ao Verbo divino e ao esconjuro das bruxas. Não há decreto de governo que possa com ele, nem poção capaz de evitá-lo, embora as vivandeiras apregoem, nos mercados, infalíveis beberagens com garantia e tudo."
Eduardo Galeano 

sábado, 18 de julho de 2015

As pílulas do ativismo anticoncepcional...


Recomendo veementemente a leitura do artigo "As pílulas do ativismo anticoncepcional da Justiça do Trabalho" de autoria dos Professores Lenio Streck e André Karam.

Abraço,

segunda-feira, 13 de julho de 2015

Por que lembrei da administração pública?


"Os efeitos da burocracia são a idiotice moral, a estupidez intelectual, o amor ao protocolo e o "não" a qualquer forma de originalidade."
Luiz Felipe Pondé
Coluna - A banalidade do bem.
Jornal Folha de São Paulo - 13/07/2015

segunda-feira, 6 de julho de 2015

Direito Penal a Marteladas - Amilton Bueno de Carvalho

Sobre Deus...

Entre o "ser" e o "estar" por Vinicius de Moraes.


O homem que diz "dou" não dá, 
Porque quem dá mesmo não diz.

O homem que diz "vou" não vai, 
Porque quando foi já não quis.

O homem que diz "sou" não é, 
Porque quem é mesmo é "não sou". 

O homem que diz "estou" não está. 
Porque ninguém está quando quer.
(...)
Vinicius de Moraes

(...)já não vejo motivos pra um amor de tantas rugas(...)

domingo, 5 de julho de 2015

Hoje, Machado me ensinou que...


"A vida é uma lousa, em que o destino, para escrever um novo caso, precisa apagar o caso escrito."

Machado de Assis
Contos Escolhidos (Conto - Verba testamentária). 4ª ed. São Paulo: Martin Claret, 2014. p.172.

sexta-feira, 3 de julho de 2015

O pensar(...) é a atividade do eu substancial...



NUNES, Benedito. O dorso do tigre - (Ensaio: Os outros de Fernando Pessoa). 3ª ed. São Paulo: Editora 34. 2009. p. 207.