terça-feira, 14 de abril de 2015

Sobre Instituições e Ordenamentos...


"Os costumes, as instituições, os ordenamentos dos homens são todos igualmente tolos e extravagantes. Mudam conforme suas opiniões e não são estáveis nem verdadeiramente legítimos. Não possuem outro fundamento senão o próprio fato de sua vigência naquele dado momento, ou seja, o hábito. Quem tem consciência disso não se torna revolucionário, assim como não são revolucionárias as pessoas obtusas e sem discernimento, que aceitam os dados da realidade por pura contumácia..."
In: Ensaios de literatura ocidental: filologia e crítica, São Paulo, Editora 34/Duas Cidades, 2007.
 apud MONTAIGNE, Michel, Os ensaios. São Paulo: Penguin Companhia. 2013. p. 23.

7 comentários:

Carla Martins disse...

Perfeito! E daí vamos para as ruas com palavras de ordem, pedindo mudança de atos e não de hábitos... Precisamos aprender a pensar (e questionar) com mais profundidade e, de preferência a nós mesmos em primeiro lugar! De que adianta querer dominar uma cidade se não dominamos a nós mesmos?

Carla Martins disse...

ps: Um abraço! Carla.

Danilo Cruz. disse...

Compreensão perfeita Carla, perfeita... Seu comentário foi de precisão cirúrgica...

Carla Martins disse...

Nós e nossas filosofias... rsrs

Danilo Cruz. disse...

Rsrs...

Erick Morais disse...

Queremos mudar o mundo, quando não conseguimos arrumar nosso quarto. É preciso uma auto reflexão constante para que possamos contribuir positivamente com a sociedade.

Danilo Cruz. disse...

Caro Erick, obrigado pela visita!
Sua reflexão me fez lembrar o Luiz Felipe Pondé...
Concordo em gênero, número e grau!