domingo, 12 de abril de 2015

Pensando, pensando, pensando...


"...o estudo do direito, em qualquer dos aspectos em que se desdobra, não pode desvincular-se do estudo da filosofia, a não ser que se pretenda ter do mundo jurídico apenas uma visão técnica e prática, imediatista e utilitária. Na realidade, pode-se advogar mediocremente (e até razoavelmente) sem conhecer filosofia do direito, mas não pode haver jamais um expoente, na arte de advogar, que não conheça lógica, filosofia e filosofia do direito, porque é impossível versar grandes questões de direito com o emprego tão só da técnica de advogar. Quem entender o contrário jamais conseguirá sair da mera aplicação automática do conjunto de normas, em vigor, no sistema sob o qual viva.”
José Cretella Júnior
In: Curso de Filosofia do Direito. 11ª ed. Rio de Janeiro: Forense, 2008. p.4-5.

5 comentários:

Carla Martins disse...

Muito bom! Ou seja, precisamos ir além do direito e buscar a Justiça, base da criação daquele. Quantas vezes temos direito a algo, mas não seria razoável exigir? Poderia dizer que, em certos casos, a cobrança é legal, mas injusta... Que bom se o mundo pensasse mais assim.Teríamos menos "direitos", mais paz, perdão e fraternidade. Não vivemos bem sem esses três elementos. Ps: estão ótimos seus posts! (vez em quando dou uma geral! rsrs)

Danilo Cruz. disse...

Esse "...ir além do direito..." é que está cada vez mais raro ainda que mais necessário...

PS. Que bom, vou tentar manter esse padrão "fifa"...kkkk...

Carla Martins disse...

rsrsrs é jóia do jeito que é! Sou fã! 👏

Erick Morais disse...

Concordo, sou estudante de direito e sinto falta de uma visão mais humanista, filosófica do direito. O direito enquanto aplicação literal é rígido e não consegue entender as vicissitudes que a vida tem. Por mais filosofia no direito, afinal a filosofia é a mãe de todas as ciências.

Danilo Cruz. disse...

Caro Erick,
Vou mais além... Se a filosofia é imprescindível à vida por consecução tb será ao direito...
“Cuando creemos que tenemos todas las respuestas, viene la vida y cambia todas las preguntas”. Mario Benedetti