domingo, 1 de março de 2015

Sobre a alegria...


Essa semana, próxima passada, li o conto "O Nariz" escrito por Nikolai Gógol entre 1835 e 1836 e dele coletei este sóbrio conceito de alegria:

(...) no mundo não há nada duradouro, e por isso a alegria no minuto seguinte já não é tão viva como no primeiro; no terceiro minuto ela se torna ainda mais fraca, e por fim se funde imperceptivelmente com o estado habitual da alma, como o círculo formado na água pela queda de uma pedra acaba se fundindo com a superfície plana.(...)
Nikolai Gógol
In O capote e outras histórias. 2ª ed. (3ª reimpressão). São Paulo: Editora 34. 2013. p. 94.

2 comentários:

Carla Martins disse...

Muito bacana, Danilo... Ai, como seria bom se nos lembrássemos a cada instante da brevidade da vida; nos incomodaríamos menos...
Abraço! Dá uma olhada no que acabei de postar, vai gostar!

Danilo Cruz. disse...

Infalível percepção...