segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

Sobre os bastidores do processo de redemocratização pós golpe militar de 64...


"Cada recuo do regime foi entendido como consequência de uma pressão das forças libertárias da sociedade. A fé em que 'o povo unido jamais será vencido' é insuficiente para explicar mudanças ocorridas antes que aparecessem, como tais, as pressões. É este, por exemplo, o caso da suspensão da censura à imprensa, processo cautelosamente iniciado em 1974 e concluído dois anos depois. 

Atribuir o fim da censura a qualquer tipo de pressão direta sobre o governo seria um exagero, pois se a censura tem uma utilidade, esta é a de colaborar decisivamente para a desmobilização política da sociedade. Atribuí-lo a um movimento dos proprietários de jornais, revistas e emissoras, um despropósito. Devê-lo a uma resistência maciça dos jornalistas, cortesia impossível. O fim da censura só se explica através do complexo mecanismo de uma decisão imperial do presidente Ernesto Geisel: 'Recebi no palácio todos os donos de órgãos de comunicação. Nenhum me pediu o fim da censura'. Quem pedisse perderia seu tempo.

Para quem quiser cortar caminho na busca do motivo por que Geisel e Golbery desmontaram a ditadura, a resposta é simples: porque o regime militar, outorgando-se o monopólio da ordem, era uma grande bagunça."

GASPARI, Elio. A ditadura envergonhada. 2ª ed. rev. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2014. p. 43.

Nenhum comentário: