quinta-feira, 30 de maio de 2013

Eduardo e Mônica

Não sou fã do "Legião Urbana" e muito menos do líder da banda, para mim foi uma banda de rock como qualquer outra banda de rock. Em assunto de rock nacional "Os Paralamas" de longe tem minha predileção, nem por isso posso deixar de afirmar que essa música sempre me agradou bastante.

sexta-feira, 10 de maio de 2013

sexta-feira, 3 de maio de 2013

Li e recomendo - "Como Não Se Faz Um Trabalho de Conclusão de Curso" do Prof. Salo de Carvalho; "Paisagens Interiores e Outros Ensaios" de Manuel da Costa Pinto e "As Consolações da Filosofia" de Alain de Botton.

Olá amigos,

Faz algum tempo que não faço postagem com recomendação de livros e por esse pecado acumulei a indicação de três belas obras, respectivamente sobre direito, literatura e filosofia.


1 - O livro "Como Não Se Faz Um Trabalho de Conclusão de Curso" do Prof. Salo de Carvalho procura problematizar as formas usuais de redação das monografias jurídicas. A intenção do autor é demonstrar como é possível fazer uma monografia que não seja uma mera repetição de trabalhos de referência. Procura apontar os inúmeros equívocos derivados da supervalorização dos procedimentos de investigação e propor algumas alternativas viáveis para romper com esta herança burocrática que é uma das responsáveis pela estagnação da pesquisa jurídica. Indispensável e enriquecedor ao docente e ao discente de direito.


 2 - O livro "Paisagens Interiores e Outros Ensaios" de Manuel da Costa Pinto traz uma reunião de textos publicados ao longo da sua trajetória, neste livro aprofunda-se temas e autores que fazem parte do seu universo eletivo, como Dostoiévski e Albert Camus, dos quais se tornou um intérprete sagaz. O autor não se detém apenas nesses escritores, amplia seu raio de apreensão crítica debruçando-se sobre as obras de Pascal, Tolstói, André Breton, Aldous Huxley. Sem esquecer a produção literária brasileira, que comparece aqui através de inúmeros textos dedicados a Milton Hatoum, Bernardo Carvalho, Fernando Bonassi; e outros autores consagrados como Graciliano Ramos, Clarice Lispector, José Paulo Paes ou Dalton Trevisan. O resultado é um mosaico bem estruturado da literatura contemporânea produzida no Brasil. 

Formado em jornalismo pela PUC-SP e mestre em Teoria Literária e Literatura Comparada pela USP, Manuel da Costa Pinto também trabalhou na TV Cultura como editor dos programas “Entrelinhas” e “Letra Livre” e é atualmente um dos apresentadores do “Metrópolis”.

Um dos melhores livros de ensaio literário que já li, principalmente no tocante às obras de Dostoiévski e Albert Camus, autores nos quais Manuel é especialista. Seus ensaios afloram desde a ambivalência psicológica presente nos personagens do criador de "crime e castigo" até a dissociação mundo-homem absurda do criador de "o estrangeiro", perpassando primorosamente por representantes da literatura brasileira. Um livro que merece ser lido e ruminado.


3 - O livro "As Consolações da Filosofia" de Alain de Botton transveste-se em uma ferramenta valiosa, pois o autor explora as teorias de seis diferentes pensadores, expondo as soluções sugeridas por eles para as eternas ansiedades do homem. Sêneca explica como lidar com as frustrações da vida. Epicuro revela como viver bem apesar da falta de dinheiro. Nietzsche mostra como vencer as dificuldades, e Schopenhauer, como curar um coração partido. Sócrates demonstra como conviver com a impopularidade, enquanto Montaigne ensina que a inadequação nem sempre é algo negativo. Com uma linguagem descomplicada, mas sem ser simplista, Alain de Botton consegue trazer a filosofia para a contemporaneidade, tornando-a relevante e acessível para todos.

Espero que gostem!

Abraço,

Danilo.