quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Direito e Psicanálise: Interseções a partir de "O Estrangeiro" de Albert Camus - Jacinto Nelson de Miranda Coutinho

COUTINHO, J. N. M. - Direito-E-Psicanalise by brmce

2 comentários:

Dyego Phablo disse...

Nossa... muito legal esse livro. Já sabia que o prof. Jacinto fazia incursões na psicanálise, mas não sabia da existência desse livro. O problema é que o direito lida justamente com a ideia de uma "sujeito" consciente, racional e, além do mais, se fôssemos a todo momento procurar "metáforas, condensações, metonímias e atos falhos" na nossa (in)consciência, creio que seria uma espécie de aporia, porque, no fim das contas, tudo estaria ligado não por atos "manifestos", e sim "latentes". O próprio M. Neves se apropriou desse linguajar freudiano. Só que o M. Neves, embora de forma brilhante, parece que tenta "conceituar" e "delimitar" cientificamente uma coisa que talvez seja indefinível: o simbólico, que, nesse caso, estaria ligado a efeitos latentes das legislações. A própria hermenêutica se vale muito da psicanálise. Só que ainda se trata de certa forma de "territórios desconhecidos", como nos indica o título de uma obra de Warat. Enfim. Belo livro!!

Danilo N. Cruz disse...

Uma pérola!