quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Justiça Efetiva!?

O juiz de Direito Edinaldo Muniz dos Santos, titular da Vara Criminal de Plácido de Castro, e que responde pela Comarca de Acrelândia, determinou a imediata soltura de um homem, por e-mail. Ao ser preso em Rio Branco, o homem pagou praticamente toda a pensão.

O advogado Wilpido Hilário de Souza Júnior enviou o e-mail para o juiz. Pediu a expedição de alvará de soltura de seu cliente e anexou o comprovante do pagamento digitalizado.

“Se não fosse o uso da tecnologia atualmente disponível, o réu teria que passar o Natal longe da família, em uma cela em Rio Branco. É preciso buscar inovações, medidas criativas e todas as soluções possíveis que beneficem a sociedade e garantam os seus direitos”, disse Muniz.

O juiz disse, no e-mail, que a cópia da mensagem, autenticada com certidão pelo funcionário plantonista da comarca de Acrelândia deveria servir de alvará de soltura. Uma audiência foi marcada para que o restante do débito seja negociado.

Não é a primeira vez que o juiz utiliza da tecnologia. Em novembro, ele usou um torpedo de celular para proferir uma sentença e expedir alvará de soltura. Ele estava em Rio Branco quando foi informado pelo cartório que um devedor de pensão alimentícia havia quitado o débito referente ao processo.

Imediatamente, o juiz postou pelo celular ao cartório a seguinte sentença: "Sentença: (...) Pago o debito, declaro extinta a execução. Esta, certificada, deverá servir de alvará em favor do executado. Sem custas e sem honorários. Publique-se. Registre-se. Intimem-se. Arquivem-se. Rio Branco/AC, 30 de outubro de 2009, às 14h24. Edinaldo Muniz dos Santos, Juiz de Direito."

Fonte: Conjur

domingo, 13 de dezembro de 2009

Rui, sempre o Rui ...

“[...] o homem público é o homem da confiança dos seus concidadãos, de quem eles esperam a ciência e o conselho, a honestidade e a lisura, o desinteresse e a lealdade; é o vigia da lei, o amigo da justiça, o sacerdote do civismo. Não pode ser o composto de uma tribuna e uma alcova, de uma escola e um balcão, de uma pena e uma gazua, de uma consciência e uma máscara; Só assim estará na condição de inspirar fé aos seus conterrâneos; e, se na fé consiste a crença, na fé a segurança, na fé a salvação, ninguém põe a sua fé senão onde tenha convicção de se achar a verdade. Logo, [...] se o homem público há de viver na fé que inspirar aos seus concidadãos, o primeiro, o maior, o mais inviolável dos deveres do homem público é o dever da verdade: verdade nos conselhos, verdade nos debates, verdade nos atos; verdade no governo, verdade na tribuna, na imprensa em tudo verdade, verdade e mais verdade”.

BARBOSA, Rui. A imprensa e o dever da verdade. São Paulo: Com-Arte; Editora da Universidade de São Paulo, 1990, 80 p. (Clássicos do Jornalismo Brasileiro; 2.)

Fonte: Juiz vocacionado ou técnico? - Excelente texto do Dr. Roberto Amaral Rodrigues Alves

Juiz vocacionado ou técnico? - Excelente texto do Dr. Roberto Amaral Rodrigues Alves

Segue link para acesso, o referido texto foi publidado na terceira edição do Boletim Informativo da Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados.

Até a próxima,

Danilo N. Cruz

PS.(O texto é bem aplicado também aos membros do Ministério Público)

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Apague definitivamente os arquivos do seu computador

Por Raul de Oliveira

Já perdi a conta do número de vezes que alguém me chamou para dar uma força para recuperar arquivos perdidos de um HD que travou, ou para ajudar em uma deleção malsucedida (normalmente por falta de atenção).

Até a bem pouco tempo, nosso próprio editor teve que recorrer a um software de recuperação para salvar um HD formatado em FAT - sigla para File Allocation Table ou tabela de alocação de arquivos, que surgiu em 1977, para funcionar com a primeira versão do DOS - que havia travado com arquivos importantes.

O que não faltou nesse dia foram sugestões de programas para recuperação de arquivos e até mesmo indicação de empresas especializadas na recuperação de dados vitais de HDs de servidores de grande importância.

Ou seja, pensar que apagar uma imagem ou um arquivo é o fim da linha é um ledo engano. Tudo pode ser recuperado, principalmente porque, quando você apaga um arquivo do HD, ele apaga o índice, mas o arquivo permanece para ser sobrescrito por outro depois de um tempo.

A razão disso tem a ver economia de energia e tempo. Se toda vez que o computador apagasse um arquivo ele tivesse que realmente excluí-lo, a performance da máquina cairia. Logo, usar o "branquinho" digital foi a solução encontrada por nossos geeks desenvolvedores.

Mas existem casos em que você deseja dar fim de uma vez por todas a um arquivo, principalmente se ele é comprometedor (fala a voz da experiência). Nesses casos, você tem algumas opções.

A primeira delas é, depois que apagar um arquivo, limpar a lixeira e criar outros arquivos. Depois, apague-os novamente e assim por diante. Faça isso umas boas vezes, principalmente se o documento criado for grande. Isso obriga a gravação sobre a informação antiga. E digamos, é o método masoquista de eliminação crucial do arquivo, o que, ainda assim, pode deixar vestígios.

A segunda opção é optar um software destruidor de arquivos, e, nesse caso, existem muitos. Aliás, com uma busca por files shredder. você encontra tantos que chega a perder a conta das opções.

Mas como descobrir qual o melhor para atender à sua necessidade? Uma busca por comentários e recomendações, o único jeito. Cada caso é um caso, e cada software destruidor de arquivos trabalha de uma maneira diferente para eliminar os vestígios.

Dentro dessa categoria você encontra, por exemplo, o Revo Uninstaller, que tem como propósito desinstalar de verdade aqueles programas que você manda remover pelo Windows.

Se o caso for dar fim a documentos confidenciais, da mesma empresa você pode baixar o Unrecoverable Delete, que se propõe a eliminar os vestígios dos arquivos que você realmente gostaria de excluir.

Já o Universal Shredde é um software muito recomendado para você que gosta de uma interface bem trabalhada. Com ele, além dos arquivos que você deseja eliminar, você pode apagar o lixo de seu HD.

Existe também o File Shredder, que elimina definitivamente qualquer vestígio.

Além desses, é possível encontrar muitos outros em sites especializados em downloads, tais como EZ Wipe 2.9.5, Dr Delete 1.0 etc. Em um site especializado, por exemplo, a categoria de programas para limpeza de disco pode passar de 300 indicações.

Atente para o fato de que o meio correto de excluir um arquivo é manualmente, gravando e desgravando arquivos para serem sobrescritos. Tome muito cuidado, pois, ao utilizar os softwares indicados, não há volta. Os arquivos serão eliminados definitivamente.

Fonte: Tecnologia Fácil - Yahoo

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Reclamação contra decisão de Juizados Especiais Cíveis Estaduais que contraria entendimento do STJ - Por Fredie Didier e Leonardo José Carneiro

Temos advertido, ao longo de todos os nossos escritos, sobre a necessidade de criar mecanismos processuais mais adequados à tutela individual dos direitos individuais homogêneos (que dão azo às chamadas causas repetitivas). A par disso, pontuamos a transformação do sistema jurídico brasileiro, que tem atribuído aos precedentes judiciais um valor cada vez maior. Os fenômenos estão intimamente relacionados.
Devem as demandas repetitivas orientar-se pela necessidade de adoção de mecanismos de uniformização de jurisprudência, a fim de que sejam atendidas as necessidades de isonomia e de segurança jurídica, com a indispensável garantia de previsibilidade, permitindo que as pessoas possam se planejar e se organizar, levando em conta as possíveis decisões a serem tomadas em casos concretos pelos juízes e tribunais.
Nesse contexto, é relevante reportar-se a uma situação específica: em determinado tipo de demanda, o STJ já havia uniformizado o entendimento de que os consumidores de dado serviço de massa não tinham direito ao que vinham, repetidamente, postulando. A despeito da fixação desse entendimento pelo STJ, vários juízos de Juizados Especiais Cíveis Estaduais continuaram a acolher diversas pretensões, de idêntico teor, veiculadas em demandas repetitivas. O caso foi, então, submetido ao crivo do STF, que não admitiu o Recurso Extraordinário n. 571.572-8/BA, porque a questão não era constitucional. Não conformada com o resultado do julgamento proferido pelo STF, a parte interessada opôs embargos de declaração, tendo a Suprema Corte anunciado o cabimento da reclamação constitucional para o STJ (j. em 26.08.2009, publicado no DJe em 14.09.2009).
É sabido que não cabe recurso especial para o STJ de acórdão proferido no âmbito dos Juizados Especiais Cíveis, conforme já mencionado no capítulo sobre recurso especial. Em casos como esse ora retratado, cabe, no âmbito dos Juizados Federais, o pedido de uniformização da interpretação da lei federal. Nos Juizados Especiais Estaduais, não há possibilidade de ser intentado esse pedido de uniformização, nem cabe, como visto, recurso especial. Assim, firmado entendimento no âmbito da jurisprudência do STJ, cabe aos órgãos dos Juizados Estaduais seguir a orientação ministrada por aquela Corte Superior, sobretudo quando se tratar de causas repetitivas, cujo regime jurídico exige um maior rigor no tocante à aplicação do princípio da isonomia e da segurança jurídica, impondo tratamento uniforme para quem se encontre em situação similar.
Ao STJ compete uniformizar a jurisprudência nacional em matéria de legislação federal. Essa é uma de suas atribuições constitucionais. Se os órgãos dos Juizados Estaduais estão a deixar, sistematicamente, de seguir a orientação ministrada pelo STJ, cabe a reclamação constitucional, a fim de garantir a incolumidade da principal função daquela Corte Superior. E, pela teoria dos poderes implícitos, deve-se conferir ao STJ a atribuição de fazer impor sua autoridade de órgão jurisdicional destinado a uniformizar a interpretação da legislação infraconstitucional. Foi exatamente isso que entendeu o STF, ao julgar os Embargos de Declaração no Recurso Extraordinário n. 571.572-8/BA. Em situações como essa, cabe ao STJ acolher a reclamação, ajuizada com fundamento no art. 105, I, f, da Constituição Federal, afastando a divergência com sua jurisprudência. A reclamação, nesse caso, somente é cabível, por não haver outro mecanismo apto a corrigir o grave problema de descumprimento sistemático da orientação firmada pelo STJ. Se coubesse recurso especial, não seria caso de reclamação. Diante da inexistência de outro órgão que possa fazê-lo, compete ao STJ eliminar a divergência havida entre decisões proferidas por Juizados Estaduais e seus precedentes que formam jurisprudência dominante sobre determinado assunto que envolve causas repetitivas.
Não foi esse, contudo, o entendimento do STJ, ao julgar a Reclamação n.3.692/RS, rel. Honildo Amaral de Mello Castro, j. em 14.10.2009, publicado no DJe em 03.11.2009, cujo acórdão ostenta a seguinte ementa: “CIVIL. OBRIGAÇÕES. ESPÉCIES DE CONTRATOS. TURMA RECURSAL DE JUIZADO ESPECIAL CÍVEL. RECLAMAÇÃO. CABIMENTO. 1. Pretende o reclamante a cassação do acórdão proferido pela Terceira Turma Recursal Cível dos Juizados Especiais Cíveis do Estado do Rio Grande do Sul ao argumento de que o referido julgado contraria a jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça, esgotadas todas as vias recursais, já apanhadas pela coisa julgada. 2. O entendimento adotado no Juizado Especial diverge da pacífica orientação desta Eg. Corte de Justiça ao reconhecer que o prazo prescricional é de cinco anos, como reconhecido em julgamento proferido pela Segunda Seção em 12.08.09, no Resp 1.053.007/RS, pacificando o entendimento de que nas ações de cobrança objetivando a devolução de valores empregados na realização de obras de expansão de rede de energia elétrica em área rural, por sua natureza de obrigação contratual de empréstimo, ajustado em instrumento firmado pelas partes, em que o prazo prescricional é de 05 (cinco) anos. 3. A Reclamação, portanto, há de ser aferida quanto ao seu cabimento dentro dos estreitos liames dos seus pressupostos constitucionais. 4. Com efeito, o princípio constitucional do art. 105, I, F, da CF não pode se alargado em sua estreita previsão, mesmo em razão da segurança jurídica como entendido, posto que sem previsão constitucional e ou legal. 5. Esta Eg. Corte permissa vênia, não tem igualmente competência para rever decisões dos Juizados Especiais Estaduais por ausência de norma legal, muito menos através de Reclamação quando inexiste qualquer processo decidido nesta Corte, nenhuma decisão violada e, o que é mais grave, em processo apanhado pela coisa julgada. 6. Assim sendo, a pretensão do reclamante mostra-se totalmente incompatível com os objetivos tutelados pelo instituto processual-constitucional da Reclamação, tornando inviável o seu seguimento pela inexistência de afronta à autoridade das decisões desta corte superior, nem por afetar a sua competência fixada constitucionalmente. 7. Negado seguimento à reclamação.”
É bem verdade que a reclamação é uma ação típica, não podendo ter ampliado seu objeto. Acontece, porém, que, nesse caso dos Juizados Especiais Estaduais, há uma situação peculiar, relativa às causas repetitivas, que impõe a adoção de medida destinada a preservar a autoridade da jurisprudência firmada pelo STJ, a fim de se eliminar a divergência jurisprudencial, conferindo isonomia e segurança jurídica ao sistema de demandas repetitivas. O STJ dispõe de um poder implícito: o de conferir efetividade à sua principal função, que é a de uniformizar a jurisprudência nacional, vindo a acentuar-se no âmbito das causas repetitivas. E tal poder implícito exercita-se por meio da reclamação constitucional.
Note, ainda, que já defendemos, no v. 3 do nosso Curso de Direito Processual Civil, o cabimento de reclamação para fazer valer a autoridade de precedente do Pleno do STF em matéria constitucional, ainda que oriundo do controle difuso de constitucionalidade (ver item sobre a objetivação do recurso extraordinário, no capítulo respectivo).Reclamação para fazer valer orientação jurisprudencial do Superior Tribunal de Justiça, como assinalou o Supremo Tribunal Federal, não nos parece apenas cabível: trata-se de medida extremamente recomendável, principalmente no âmbito dos Juizados Especiais Estaduais, que não podem tornar-se “ilhas” de interpretação do direito federal, ignorando os posicionamentos consolidados do STJ.
Leonardo José Carneiro da Cunha